25 de mai de 2016

No ouvido


Chega devagar e fala junto do meu ouvido. Diz que nunca viu um sorriso mais bonito, diz que percebe como meus olhos brilham quando meus lábios se curvam em um sorriso, e os olhos? Aaaaah, os olhos… apesar de se comprimirem demonstram uma alegria gigantesca. Chega devagar e diz que percebe que sou tão tua quanto você pertence a mim. Sussurra que as horas passam lentamente quando longe, mas que quando perto tudo o que quer é parar o tempo e não deixar o presente virar passado. Diz que quer conjugar este tempo verbal na primeira pessoa do plural. Chega e diz que estava me observando de longe, e mesmo assim notou que minhas pupilas só dilatam quando você chega mais perto e me fala no ouvido.
Chega mais perto, me fala no ouvido, me olha nos olhos e me beija a boca.