29 de mai de 2016

Doses de poesia

Não sei o que odeio mais, se é dor de cabeça ou bloqueio criativo, e agora mesmo estou enfrentando o pior bloqueio criativo da minha vida. Não estou conseguindo terminar minhas poesias e outros textos, não estou conseguindo fazer pixel art, não estou conseguindo nem mesmo fazer matérias para o Uber 7, e oolha que as matérias que faço para lá são sobre assuntos que eu domino. Mas deixando o desabafo de lado, já era hora de publicar algo de minha autoria aqui novamente, faz tempo que sumi do blog que eu mesmo fundei. Deixo então para vocês, leitor, a última poesia que apresentei, em um festival de talentos da minha antiga escola para o qual fui convidado. Boa leitura.



Doses de Poesia


Fazer poesia é dose,
apenas ler já é.
E dependendo da poesia,
ou até mesmo do poeta,
pode ser uma dose de Amor,
outra de saudade,
Umas de tristeza
algumas de alegria
Mais tantas de filosofia
Assim como de critica
Fazer poesia é dose
Então, garçom manda mais duas,
Traz Drummond e Bocage,
Pois eu não pretendo parar.

25 de mai de 2016

No ouvido


Chega devagar e fala junto do meu ouvido. Diz que nunca viu um sorriso mais bonito, diz que percebe como meus olhos brilham quando meus lábios se curvam em um sorriso, e os olhos? Aaaaah, os olhos… apesar de se comprimirem demonstram uma alegria gigantesca. Chega devagar e diz que percebe que sou tão tua quanto você pertence a mim. Sussurra que as horas passam lentamente quando longe, mas que quando perto tudo o que quer é parar o tempo e não deixar o presente virar passado. Diz que quer conjugar este tempo verbal na primeira pessoa do plural. Chega e diz que estava me observando de longe, e mesmo assim notou que minhas pupilas só dilatam quando você chega mais perto e me fala no ouvido.
Chega mais perto, me fala no ouvido, me olha nos olhos e me beija a boca.

12 de mai de 2016

HOUVE AMOR

Houve amor.
Houve olho no olho.
Houve respiração cortada.
Houve mãos suando.
Houve sorriso bobo.
Houve bochechas rosadas.
Houve olhos brilhando.
Houve borboletas voando.
Houve estômago borbulhando.
Houve sensação de estar voando.
Houve hesitação em chegar perto.
Houve cuidado de não errar.
Houve perícia para não demonstrar.
Houve medo de se entregar.
Houve aperto no coração.
Houve exagero e contradição.
Houve tentativas de se enganar.
Houve resistencias e confusão.
Houve coragem para falar.
Houve certezas que ninguém pode negar.
Houve alívio e reflexão.
Houve amor ou foi paixão?