15 de out de 2015

Parede de Vidro

Te olho através do vidro. 
Te olho e te admiro daqui, do outro lado.
Quero sentir o calor que vem da tua respiração e tudo o que ganho é uma visão distorcida de ti, já que tua respiração embaça esse vidro. Minha respiração quente e essa distância fria condensam a saudade e ela escorre, escorre mas não atravessa o vidro, fica contida aqui, comigo.
Te olho profundamente, mas não consigo atravessar nem a superfície desse maldito vidro.
Grito daqui que te quero mas o som chega aí em um sussurro e a intensidade se perde entre o vidro, e você nem imagina o quanto te quero.
Ao teu redor tem pessoas, no seu lado do vidro, e eles passam por ti sem se darem conta do tamanho da sorte que possuem, sorte por não estarem comigo, desse lado do vidro.
Te olho através do vidro e sei que esse vidro te corta, te atravessa e te divide no meio, te deixa vivendo pela metade, metade sonho e metade realidade.
Te olho através do vidro e te olhar cortada assim me corta também. Então, vai menina. Descongela teu tempo e te afasta do vidro.
Te afasta do vidro, esqueça as metades e viva por inteiro.
Te afasta do vidro, mas menina, deixa o coração aqui. Deixa ele aqui perto do vidro, porque ainda preciso vê-lo pulsando enquanto atravesso esse vidro. Porque um dia eu vou conseguir atravessar esse vidro maldito.Vou atravessar e descongelar o tempo do teu e do meu coração.
Preciso do teu coração para ter algo que te entregar quando meus passos se acertarem com os teus.
Te olho através do vidro e confesso que peço para deixar o coração porque tenho medo.
E o meu medo é que conforme se afasta do vidro se esqueça que tem um coração do outro lado, pulsando por você, e que acabe entregando o teu coração a outra pessoa.
Te olho através dessa parede transparente e desejo te olhar olho no olho, desejo pele na pele, eu e você do mesmo lado do vidro.