20 de abr de 2015

Agora

Eu só queria escrever algo lindo. Algo que em cada palavra suave e de bela sinfonia deixasse o leitor pendurado no expecto ao depois. Mas, não sou assim. Não sou suave, delicada, ou mesmo bela. Não sou como uma rosa em sua maciez e maleabilidade, ou mesmo com a sutileza de seus espinhos. Mas, eis então o que sou. Sou como o aço, uma corrente de aço, que é fria, calculada milimetricamente para o encaixe dos elos. Mas, ainda assim dizem que a beleza está nos olhos de quem vê, talvez a frieza e força do aço sejam belos. Me veja.