21 de abr de 2014

Despedida de um igarapé

Queria eu poder sempre
ter minha águas límpidas e transparentes
mas você vem e me destrói
com seus resíduos e poluentes

O que eu fiz?
Que mal causei?
Se ei sempre  trouxe benefícios
Nunca prejudiquei!

O tanto que te alertavam
que um dia eu poderia desaparecer
Mas você... nem aí!
Deixava-me perecer

Hoje não chego a ser nem igarapé
Muito menos um leito
Sua próxima geração nem chegará a me ver
tudo culpa da sua falta de respeito.