30 de ago de 2013

Resumo em F

Faria diferente se tivesse a chance
Feriria menos meus pensamentos
Ficaria satisfeito com o resultado.
Fantasiaria menos!

20 de ago de 2013

Amor branco.

Nosso
Meu            Amor
Teu

Quem disse que te amo?

A redução da maioridade penal, é bom ou ruim? Vamos pensar?

A redução da maioridade penal é um dos temas mais polêmicos, em razão do crescente número de casos envolvendo adolescentes e jovens, Constantemente estampando as matérias policiais de nosso Brasil. Como é de praxe, vemos que várias pessoas movidas por impulso, soltando asneiras e gritos sem nexo para que se aumente a maioridade penal, achando que prendê-los vai ser a solução correta, e, assim resolvendo o problema. Esse adolescente irá ser colocado num sistema carcerário de 3º mundo, junto com presos de alta periculosidade, com nenhuma diferenciação de crimes, idade ou etnia, esfacelando ‘inda mais a mente do jovem.
Como vimos nosso sistema de segurança frágil, impulsivo, muitas vezes desqualificado, ouve pessoas consumidas pela raiva de adolescentes de estrutura familiar baixa, com sua mente frágil, às vezes, roubando para comer. Sei que nosso Brasil é um país de terceiro mundo, com infraestrutura precária, em todos os sentidos, mas principalmente na educação e inclusão de minorias no convívio social com o resto da população.
Segundo a Psicóloga Maria Edilânia de Almeida Mangueira, o aumento da maioridade penal é desnecessário, pois se houver investimento na família, o adolescente tivesse assistência do governo desde o início, tivesse investimentos em sua estrutura familiar, não aconteceria. Mas não são só meninos pobres, de pais alcoólatras, traficantes de ilícitos, abaixo da linha da pobreza que roubam e matam. Muitas vezes adolescente de pais ricos, milionários, esbanjando o poder, fazem isso para que tenha a atenção necessária por parte de seu pai. Você que é rico, já viu como seu filho de sente? Você dá atenção o suficiente para o seu filho? Tudo isso influencia.
Segundo, Yuri Dos Santos, escritor, isso é apenas uma medida preguiçosa, um jeito de mandar a sujeira feita pelo descaso para debaixo do tapete. Se fosse feito um bom investimento em politicas sociais, educação, saúde, segurança e trabalho, duvido muito que tantos jovens recorressem ao crime. Muito podem vir com o argumento "Ah, mas tem jovem que comete crime hediondo", "Ah, mas conheço muito jovem pobre que não precisou virar criminoso", a vocês que dizem isso respondo apenas: Cada um é cada um, ninguém tem as mesmas experiências de vida, ninguém tem a mesma cabeça que outra pessoa, a mesma força. Se há jovens cometendo crimes hediondos foi por que a nossa sociedade criou esses monstros, agora tem de lidar com eles, mas não do jeito fácil que é só prendendo, não, tem de ser do jeito certo, com reeducação social. Querem evitar que jovens continuem indo pro mundo do crime? Mudemos a sociedade então, nos tornemos melhores e mais humanos, vamos investir mais na educação, na cultura, no social. Façam o certo, não o fácil, se não, adiante o preço sairá muito caro.
Já a parte é a favor é que quando um jovem comete um crime, é de práxis o pensamento que ele teve ciência do ato. Um jovem com 16 anos ou mais, já tem a capacidade de saber o que pode ou não, fazer. Uma alternativa é melhorar a recepção para os jovens que cometem o ato infracional. É um absurdo que haja impunidade ainda que seja imputável, o autor do crime. É fato que há países que a maioridade penal é de 12 anos, porém os jovens tem uma educação diferente, o sistema de segurança deles, consegue reeduca-lo. O pensamento é que um jovem tem a ciência dos seus atos e tudo que ele faz é de caso pensado.

Para concluir, não é necessário coloca-los em uma cela suja, fedida, em uma penitenciária de alta periculosidade junto com os maiores criminosos da atualidade. O que queremos é uma sociedade pacífica, onde os jovens tenham vez e o governo olhe por eles. Não vai ser prendendo, um jovem, com leis boas e um sistema frágil, que iremos resolver a questão. O interessante seria olhar de outro modo, olhar do ponto de vista do adolescente. Será que se com a desassistência do governo, a fome, e a falta de infraestrutura básica, não influenciaria na mente de um frágil jovem? Eis a questão, será que nosso sistema, poderá consertar o ato, e reeduca-lo para a sociedade? Não! Desobedecer as leis, violar um artigo pétreo, para somente sanar a raiva de pessoas más informadas? Não, isso não é necessário, se houvesse investimento no adolescente, uma inclusão para o jovem, se houvesse igualdade... Mas não há! Então, vamos olhar com um olhar diferente, com outra forma para podermos refletir. O voto é sério, e é uma decisão sua, secreta, mas pense, ‘’e se você estivesse no lugar do jovem?’’, ‘’ e se fosse você?’’ 

Infinitos

Se eu dia,
eu parar
de
te
amar
estarei
morto
pois
nosso
amor
é
infinito

8.

6 de ago de 2013

Não a Redução da Maioridade Pena

Sou contra a redução da Maioridade Penal. Isso é apenas uma medida preguiçosa, um jeito de mandar a sujeira feita pelo descaso para debaixo do tapete. Se fosse feito um bom investimento em politicas sociais, educação, saúde, segurança e trabalho, duvido muito que tantos jovens recorressem ao crime. Muito podem vir com o argumento "Ah, mas tem jovem que comete crime hediondo", "Ah, mas conheço muito jovem pobre que não precisou virar criminoso", a vocês que dizem isso respondo apenas: Cada um é cada um, ninguém tem as mesmas experiências de vida, ninguém tem a mesma cabeça que outra pessoa, a mesma força. Se há jovens cometendo crimes hediondos foi por que a nossa sociedade criou esses monstros, agora tem de lidar com eles, mas não do jeito fácil que é só prendendo, não, tem de ser do jeito certo, com reeducação social. Querem evitar que jovens continuem indo pro mundo do crime? Mudemos a sociedade então, nos tornemos melhores e mais humanos, vamos investir mais na educação, na cultura, no social. Façam o certo, não o fácil, se não, adiante o preço sairá muito caro