5 de mar de 2013

Poeta de privada

Que vida triste e desgraçada é ser poeta de privada.
Imagine só poetar enquanto dá uma cagada!
Escrever sobre o perfume de flores sentindo cheiro de merda braba.

Falar de coisas suaves, enquanto se rasga fazendo força.
Por isso eu digo que ser poeta de privada não é desgraça pouca.
Imagina falar de amor, falar da sua amada, 
E enquanto isso desce a feijoada.

É na privada, no banheiro,
Que se acaba a arte do cozinheiro.
E por essas e outras a regra é clara.
Não come quem tem medo de dar uma cagada!