6 de nov de 2012

Macabro Amor

  Já era tarde, Pedro despencara pela escada assustadíssimo. No quarto de Rogério, uma figura misteriosa saía tranquilamente do móvel de parede e, ao ver Luíza estirada no tapete, não esboçara o menor espanto ou susto. Pegou a bengala, limpou o sangue no vestido da recém-defunta e, o mais estranho, é que a perda de sua irmã não lhe trouxe nenhum sentimento. Como se Luíza nunca tivesse existido, e o cadáver aos seus pés não passasse de uma boneca macabra.
  Vívian gira a bengala entre os dedos, assobiando uma música lenta, desce a escada de dois em dois degraus, vai até a cozinha pegando um refrigerante na geladeira e se sentando a mesa, e então se pergunta:
— Onde está o bocó do Pedro?

  Pedro sobe na casa da árvore e começa a revirar um velho baú murmurando freneticamente:
  — Louca, louca, louca... Minha namorada é uma louca...
E então encontra que o procurava, a espada que o avô de Vívian ganhara de um amigo, anos atrás, Pedro a desembainha em um movimento ligeiro, analisa a lamina e sussurra pra si:
 — Obrigado pelas aulas S.R. Togokawa.

  Vívian vai para a varanda, depois de revirar toda a casa e perceber que Pedro saiu, e começa a gritar por ele:
 — Pedro??  Pedroooo!!! Apareça meu bocózinho. Falta pouco para que possamos ficar juntos enfim.
Pedro pula da casa da árvore com a espada desembainhada em mãos, com um olhar frio, e grita:
— SUA LOUCA!!! O QUE FEZ?? TÁ TUDO ERRADO!!!
Dito isso Rogério surge à porta aos berros:
— O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI, O QUE HOUVE COM A LUÍZA MEU DEUS DO CÉU????
E então fica paralisado de choque com a cena a sua frente, Vívian, sua filha, de costas pra ele com a bengala de seu pai e o vestido sujo de sangue, e o namorado dela mais a frente, de frente para ele, só com a calça do pijama e a espada de seu pai em mãos, absurdamente confuso ele pergunta:
— Mas que diabos...
Mas não chega a terminar a frase, pois Pedro transpassa sua garganta com a espada que outrora foi de seu pai...

  Pedro tira a espada da garganta de Rogério, que cai espirando sangue para todos os lados, sujando principalmente a Pedro, ele limpa a lamina na calça, se vira e avança lentamente em direção a Vívian, joga a espada no chão, a abraça forte e rouba-lhe um demorado beijo, e então sussurra em seu ouvido:
— Me desculpe os gritos amor, mas bobinha, seu pai devia ter sido morto primeiro.
E a beija novamente.