15 de nov de 2012

Era, não é e sim eu sou assim.


E as lagrimas caem aos montes, seu coração esta despedaçado e você não sabe o que fazer, dizer ou pensar, porque a dor que sentes não deixa e em breve o vazio te consome e perdes aquele brilho esplendido que teus olhos tinham quando ainda sentia aquele sentimento…Qual mesmo o nome do maldito?
Você não consegue lembrar porque o vazio consumiu e está te afogando, matando aos poucos e qualquer sentimento diferente de tristeza, dor e solidão parecem ser boias salvas-vidas, pena que elas são leves demais pra te salvar do afogamento que o vazio está te proporcionando, porque nenhum desses sentimentos vai te salvar desse abismo…E isso doí e você que antes era todo sorrisos e alegria, está apática e vazia, está murcha, está solitária, se enterrando em si mesma, sem forças pra levantar ou mudar e você se pergunta, ” Por que ninguém me ajuda? Me salva disso?” E ai você lembra que você não contou o que anda sentindo pra ninguém, porque preocupa-los seria péssimo e se culpa por isso, porque quer e não quer que outros se preocupem contigo, mas, você ” Por que ninguém percebe?” Porque você mesma, não deixou eles perceberem, porque afinal, sempre fosses boa em fingir estar bem, teve anos de prática e até sua melhor amiga, que te conhece por inteiro, não percebe.
 Mas, você comentou uma ou duas coisas com ela sobre isso quando estava no limite, mas, mesmo quando ela perguntou o que houve, você simplesmente não quis aprofundar o assunto, porque tens vergonha. Vergonha de estar como está.
De se sentir assim, tão deplorável e frágil. Tão sozinha, tão morta. Afinal isso é novo pra ti, mesmo que tenhas passado por dores amorosas, nenhuma se compara a sensação do vazio, mesmo que ainda possas rir e sorrir, não  é mais a mesma coisa, é totalmente incompleto e incompleto não dá certo, porque assim que você para de rir com as palhaçadas dos seus amigos, o vazio já vem a toda atrás de ti, porque ele está faminto pela que dor que sentes e você abriga-o como um velho amigo, alimenta-o com seus pensamentos deprimentes, que te dão vontade de se matar. O que muitas vezes você pensou e imaginou, mesmo que para ti suicídio seja algo egoísta e mesquinho, afinal, ainda existem pessoas que te amam e se importam contigo, não da maneira que tu gostaria e sente que precisa, mas de uma maneira fraternal e totalmente gentil que também é bem vinda. Mas, parece ser o único jeito de morrer sem levar ninguém contigo ou ferir alguém fisicamente.
Mesmo que isso seja deplorável, você pensou nisso, porque a vida não tem mais sentido, não que nem antes. Você anda pensando em escrever cartas pra deixar algo de bom assim que se for, não que saibas que horas vais partir desse mundo, mas, como você reconhece que a vida é imprevisível, acha melhor fazer tal coisa, para dar um alivio mesmo que minusculo, para aqueles que te amam e se importam contigo.
 Afinal, você não é um poço de egoismo e egocentrismo, só está vazia e isso te faz mal. Faz mal a qualquer um. Seu sorriso era mais bonito e seus olhos também, você já foi mais viva e já trouxe mais alegria, mas é claro que essa foi a época em que você não tentava matar a si mesma por dentro, aos poucos. Foi na época em que o amor batia a sua porta e você o recebia de braços abertos, na época em que sua carência não predominava, afinal, mesmo que a distancia, eras amada e isso te fazia bem.
Você sempre fez mal para si mesma, desde menor, sempre rígida e perfeccionista consigo mesma, nunca soube fazer bem pra si. Só sabia fazer bem pros outros. sempre matando o amor que sentia por aqueles que podiam te fazer ama-los da forma que procuras, você tem a coragem pra enfrentar e matar um dragão, mas para amar alguém sempre exigiu mais coragem que isso para ti.

Você é complexa e estranha, dizem que sua voz é bonita e que tem uma grande beleza, mesmo que não se acha feia, não fica admitindo por ai que se acha bela, não é de seu feitio fazer tal coisa, não é humilde, se finge de convencida pra não se sentir envergonhada, afinal, odeias a timidez, porque a timidez te lembra a covardia, que lembra a ti fraqueza e a inutilidade e você simplesmente odeia todas essas quatro coisas.
É critica com os outros e tem a linguá ferina, direta e é sincera demais, porque para ti a mentira só atrapalha. Gosta de dar cortes nas pessoas que merecem e odeia injustiças. No exterior se paga de durona, mas na verdade é dócil por dentro, mesmo que não gostes de ser dócil, eis.
Cansasse de sofrer por isso decidiu que não sentiria mais nada em relação a ninguém e agora se sente mal por isso, porque isso faz uma falta sem tamanho para ti, mas, não quer correr atrás de cada par de calças que vir pela rua, pra curar isso. Porque para ti isso seria perda de tempo. Queres alguém que valha a pena e o risco, mas que principalmente prove que vale tais coisas. Não sabes como alguém poderá provar isso, só sabe que é assim que vai ter que ser.
Eis mais teimosa que uma mula, mas sabe muito bem ser diplomática e fazer as vontades dos outros, não se apega fácil e quando se apega quase não consegue desapegar, pode se distanciar, mas só.
Porque nunca conseguisse desapegar pra valer de alguém, só quando achou extramente necessário. Já teve tantas decepções que simplesmente não consegue mais ter realmente expectativas e quando (se) consegue, elas são facilmente destruídas. porque espera demais de algo que devia ser pouco. Você gosta de controlar as coisas ao seu redor do seu jeito e tem vezes que quer que tudo saia perfeito e quando não sai te estressa e isso te mata mais.
Era pra ser um texto dócil, mas, cansei de textos dócil’s, não são para mim.
 Era pra ser bonitinho e inspirador, não é, não sou assim.
Era pra algo a mais, mas, não é, é um simples e deplorável texto sobre mim.
                                           

   -



O nome do maldito era amor.